Ciclista do Avaí é atropelado durante treinamento em Florianópolis

O ciclista Geovanny Maurício, da equipe Avaí F.C./FME Florianópolis/APGF, foi atropelado no início da tarde desta terça feira (31.05) enquanto treinava na BR-282, uma das principais rotas de treino de atletas da região da Grande Florianópolis.

Geovanny Mauricio

Geovanny Mauricio estreou na equipe este ano.

O incidente aconteceu já na parte final do treino, quando o atleta pedalava na BR-282 em direção a Florianópolis. Esta é uma das principais rotas de treinamento de atletas da região. Segundo os relatos, o atleta transitava no acostamento, no mesmo sentido do fluxo dos demais veículos, quando foi atingido de frente por um motorista que ia no sentido contrário e fez uma conversão sem aguardar a passagem do ciclista. O motorista fugiu sem prestar socorro, mas já foi localizado pela Polícia Rodoviária Federal.

O atleta foi encaminhado ao Hospital Regional, em São José, e liberado algumas horas depois. Felizmente ele teve apenas ferimentos de pouca gravidade e passa bem. A equipe Avaí F.C./FME Florianópolis/APGF deseja melhoras ao atleta e dará todo o apoio para sua recuperação.

Já a sua bicicleta não teve a mesma sorte e ficou destruída. A menos de um mês do Campeonato Brasileiro de Estrada, uma das principais competições do ano que acontecerá no final do mês em Joinville, a situação de Geovanny é complicada. Sem bicicleta e com fortes dores no corpo, o atleta corre o risco de não poder participar da prova.

Foto tirada pelo próprio atleta: Geovanny teve ferimentos principalmente no rosto, mas já está em casa e passa bem.

O tio do atleta, com quem atualmente mora, publicou seu relato nas redes sociais:

Indignado. Indignado, não, muito indignado. Sabe o que é você terminar um treino de natação após um de pedal e receber uma ligação onde quem está do outro lado pede pra você ir correndo pra o Hospital Regional? Meu sobrinho Geovanny Mauricio, ciclista do Avaí, havia sido atropelado por um veículo enquanto treinava na BR-282, na altura da cidade de Santo Amaro da Imperatriz.

Eu havia estado com ele pela manhã. Fui fazer o meu pedal e ele sairia pra fazer o dele mais tarde. “Tio, eu te espero a tarde em Florianópolis e venho contigo de carona”, foi o que ele me pediu. Após o treino de natação eu vou te buscar, respondi. Pena que o lugar de buscá-lo foi alterado. Tive que acompanha-lo numa sala enquanto a médica tecia pontos e mais pontos no rosto dele.

O motorista fugiu do local sem prestar socorro. Deixou o rapaz jogado no asfalto e se mandou. Um outro motorista que presenciou o crime – sim, isso não é acidente, é crime – contou pra mim que “o ciclista voou até o fio do poste e caiu; achei que ele tivesse morrido na hora”. Por outro lado, no exato momento passava no local um amigo meu, morador da Palhoça. Ao ver Geovanny Mauricio no chão, logo o reconheceu. Recolheu a bike e os pertences, chamou a PRF e acompanhou meu sobrinho até o hospital. Fez mais ainda: descobriu quem era o infrator e conduziu os policiais da PRF até a casa do meliante. Quanto a isso, tomaremos as devidas providências.

Esse caso não pode ser só mais um caso, meu amigo. São relatos e mais relatos de ciclistas que são xingados, ameaçados e até atingidos por esse tipo de motoristas. Quando são pegos, acovardam-se dizendo que foi acidente. Precisamos fazer alguma coisa. Enquanto cada um de nós fizer depoimentos individualizados aqui no Face, nada vai mudar.

Precisamos de, no mínimo, uma campanha educativa e de conscientização por parte das autoridades. Outdoors espalhados pelas principais avenidas nossas, blitz educativa e coisas do gênero já seriam um bom início. Pra isso, precisamos que a Federação de Ciclismo de Santa Catarina e a Federação de Triathlon comprem essa briga e defendam seus federados. Defendendo os federados, defenderão os demais ciclistas. Os lojistas e promotores de eventos de ciclismo também precisam se juntar nessa campanha. Ora, ora, ninguém compra uma bike pra treinar indoor. Vamos lá, vamos defender o ciclismo e o ciclista das garras desses motoristas marginais, despreparados e/ou ignorantes.

Geovanny Mauricio já está em casa, bastante machucado, mas medicado e repousando. Eu, que a essas horas já estaria dormindo, descansando pra o treino de corrida amanhã, estou aqui tentando mostrar que ele pode ser você amanhã. Ou um filho teu, ou um namorado, um marido, um pai, um irmão, um tio, um primo, um amigo… A hora de nos unirmos é essa. Alô, alô você que tem alguma ligação com o ciclismo, você que lucra com o ciclismo, você que é ciclista, vamos cobrar das autoridades.

Na localidade onde costumo fazer a maior parte dos meus treinos de pedal, no município de Águas Mornas, falei com o prefeito e solicitei-lhe a colocação de placas de sinalização alertando os motoristas. Ele já está providenciando. Assim que forem instaladas, farei fotos e mostrarei pra vocês aqui no Face. Cobremos de nossas autoridades. O ciclista precisa se respeitado.

3 Responses to “Ciclista do Avaí é atropelado durante treinamento em Florianópolis

  • Conheço o Giovani!baita camarada!!Fico triste pelo acontecido. Infelizmente não há respeito no transito, não só pelo ciclista, mas falta respeito pela vida! Caminhoneiros, motoristas e “motociclistas” todos temos de nos conscientizar que o veiculo utilizado de modo indevido pode causar tragedias!

  • Pode deixa em pune não,;mesmo que a justiça seja injusta, tem que correr

  • Melhoras meu amigo. Punição pra este verme que anda na contra mão no acostamento e não presta socorro.

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *